Notícias

Anterior Seguinte
Informações | 26 09 2014
PEUGEOT realiza testes com o 2008 DKR na França

img-not2609

 

Com a aceleração da contagem regressiva para o início do Rally Dakar, a equipe PEUGEOT-Total dá sequência à preparação do 2008 DRK, seu representante na maior e mais difícil prova de rali do mundo.

Para conduzir a “fera”, a direção esportiva da Marca conta com um time de peso, que inclui o Cyril Despres: cinco vezes campeão do Rally Dakar a bordo de motocicleta, piloto francês começa a descobrir novas sensações sobre quatro rodas.

 

Às 7h da manhã a equipe PEUGEOT-Total entrou em ação: os mecânicos “invadiram” o centro de testes no Château Lastours, onde o 2008 DKR estava prestes a iniciar uma nova fase de seu desenvolvimento. Cada minuto foi contado, afinal seria a primeira vez que as três equipes que constituem o “time dos sonhos” da PEUGEOT se revezariam ao volante.

 

Depois de realizar testes experimentais em Freneuse, Montlhéry e Creusot (França), o 2008 DKR teria, enfim, a chance de demonstrar seu potencial em um terreno rochoso, que oferece um indício do tipo de aventura que o espera na América do Sul. Outra importante meta do programa era validar as alterações feitas no chassis e no sistema de refrigeração, a partir das ponderações do experiente piloto espanhol Carlos Sainz – que agora recebe reforço de seus companheiros de equipe.

 

Stéphane Peterhansel, diversas vezes campeão em diferentes categorias do rali, como também em provas de resistência, fez suas considerações pouco depois de assumir o volante e rodar os primeiros quilômetros num terreno de difícil condução até mesmo a bordo de um veículo totalmente pensado para essa aventura. “A tração em apenas duas rodas muda tudo”, afirmou o piloto, admitindo a experiência como um verdadeiro “choque cultural”.

 

“Eu nunca havia conduzido um carro de rali com a suspensão trabalhando dessa maneira. A primeira grande surpresa foi a forma como o 2008 DKR absorve buracos e irregularidades. Eu estava acostumado a “chacoalhar” dentro do carro, por isso posso dizer que o comportamento desse veículo é infinitamente mais eficiente e suave. A suspensão e as rodas de grande diâmetro são capazes de absorver os choques nas circunstâncias em que se prevê um impacto iminente, por exemplo. É uma situação que tranquiliza a ponto de permitir ao piloto passar por cima dos buracos a velocidades de 120, 130 km/h, ou seja, acima dos 80 km/h habituais. Isso significa que terei de adaptar meu estilo de condução.”, contou Peterhansel. 

 

“Por conta da tração nas duas rodas, o 2008 DKR exige uma pilotagem mais afinada e precisa, para garantir controle sobre o carro, que dá a impressão de estar sempre prestes a derrapar. Quanto ao restante, posso dizer que ainda há ajustes a serem feitos, mas a primeira impressão foi muito positiva: tanto o motor quanto a caixa de velocidades, por exemplo, transmitem uma boa sensação.”, completou o piloto.

 

Cyril Despres encarou esse primeiro contato com o 2008 DKR com total ansiedade e emoção, já que no caso dele a experiência sobre quatro rodas é uma novidade. Ele realizou um reconhecimento da pista ao lado de Peterhansel para somente então assumir o volante. Após percorrer alguns quilômetros sob o comando do carro, veio o comentário: “É uma loucura, muito melhor do que eu poderia imaginar, em todos os sentidos!”. Sobre o desempenho de Despres, Carlos Sainz comentou: “Estou convencido de que ele vai realizar um bom trabalho, e estarei pronto para ajudá-lo o quanto for necessário. É um excelente competidor.”.

 

O programa elaborado pela equipe de engenheiros da PEUGEOT e realizado durante todo o verão europeu não possibilitou folga às equipes envolvidas, e os treinos seguirão de maneira intensa até a expedição América do Sul.